Família Bulcão > artigos

Site criado em 22/11/2010
http://www.familiasdobrasil.com.br/bulcao
Plano: Pacote Ilimitado - Validade indeterminada
Fundador: Marcelo de Souza Lerina
Casal raíz: João de Araújo de Aragão Bulcão (1834) e Augusta Emília Moniz de Aragão Bulcão (1842)
Local de referência: São Francisco do Conde (BA) e Lavras do Sul - RS - Brasil

51 membro(s) cadastrado(s)

 

 

 
  • Marcelo de Souza Lerina

    O início da família Bulcão no Brasil

    É da numerosa progênie da GASPAR GONÇALVES BULCÃO e de D. VIOLANTE MACHADO DUTRA NUNES que descendia GASPAR DE FARIA BULCÃO, filho de Sebastião Dutra de Faria Bulcão e de D. Maria de Avila da Silveira Bittencourt, neto paterno de Sebastião Dutra de Faria Bulcão e de D. Madalena Dutra e neto materno de Francisco Brun da Silveira Bittencourt e de D. Inês Duarte, que muito moço, cheio de esperanças e ávido de trabalho, deixou o aconchego do lar feliz e veio para o Brasil, onde já tinha parentes, dar a sua contribuição em prol do seu desenvolvimento.
    GASPAR DE FARIA BULCÃO chegando, mais ou menos em 1650, à cidade de Salvador, capital da Bahia, seguiu logo para a Freguesia de Nossa Senhora do Monte de Recôncavo, criada em 1603 e nos seus primórdios denominada “Tamarari”, pertencente desde 1697 ao histórico e legendário Município de São Francisco da Barra do Sergi do Conde, onde adquiriu uma vasta extensão territorial, estabelecendo ai sua residência no lugar que denominou “Água Boa” fundando engenhos de açúcar e construindo a igreja de São José.
    Contraindo pouco depois GASPAR DE FARIA BULCÃO matrimônio com D. GUIOMAR DA COSTA, natural da citada freguesia, filha do Capitão Baltazar da Costa, abastado senhor de engenhos, e de D. Inês da Costa. Deu origem à família BULCÃO na Bahia, que unida por subseqüentes casamentos com outras das principais, veio a ter grande projeção, tendo os seus descendentes, uns como políticos e militares, cintilando nas páginas da sua História, e outros, mais modestos, dedicaram-se à agricultura e à pecuária, terminando os dias em seus engenhos, ouvindo o mugido das suas boiadas e o cicio constante da viração em seus imensos canaviais, cada qual na esfera da sua ação, procurando servir à Pátria e engrandecer o berço natal.
    Tratando-se da origem da família Bulcão na Bahia, não devem ser esquecidos os seus magníficos engenhos de açúcar situados no município de São Francisco da Barra do Sergi do Conde, atual São Francisco do Conde, e no distrito de Pacé, da capital, conhecido pelos nomes de “Engenho Cravaçú”, “Engenho Quincengue”, “Engenho Novo”, “Engenho de Baixo”, “Engenho Guaíba”, “Engenho de Água”, “Engenho Cassarangongo”, “Engenho Pitinga” e “Engenho Querente”, considerados na época pelo seu fausto como a “Corte do Recôncavo Bahiano”, nos quais se ergueram majestosos e opulentos solares.
    Devem também não ser esquecidos e recordados com carinho os marcos de fé plantados em suas terras, expressiva e positiva demonstração de espírito religioso, como fossem as igrejas de São José, no Engenho Novo, de Nossa Senhora do Desterro, no Engenho de Baixo, e do Senhor Bom Jesus de Bouças no Engenho de água. A primeira construída a de São José, e que representa um inestimável repositório, pois além de guardar em sua navesagrada as venerandas cinzas dos seus maiores, nela foram celebrados os seus esponsais e batismos, foi deixada propositadamente ruir e desaparecer, porque o ateismo e os ódios incontidos dos seus novos proprietários , acreditavam, assim procedendo, sepultar debaixo das suas paredes seculares as glórias de um passado sempre redivivo.
    E é por isso que - embora seja um dos mais obscuros membros dessa família, porém guarda avançada das suas tradições e incansável no pesquisar os seus incontestes méritos - muitas e muitas vezes relembrando a infância despreocupada e feliz, sem renovação, com os olhos marejados de lágrimas, alongo meu olhar pela imensidade do horizonte procurando descobrir a igrejinha de forma octogonal edificada em um lindo outeiro, circulada de palmeiras, onde recebi as águas lustrais do batismo e fiz as minhas primeiras preces (foto ao lado). E, então, em pensamento julgo-me de joelhos, como outrora, aos pés do SENHOR BOM JESUS DE BOUÇAS, renovando a ELE o meu voto de fé, de constância, de gratidão, de imperecível e imensa saudade!.
    Do casamento de GASPAR DE FARIA BULCÃO com D. GUIOMAR DA COSTA, falecidos na mencionada freguesia de Nossa Senhora do Monte do Recôncavo em seu sítio "Água Boa", respectivamente, em 2 de março de 1690 e 11 de janeiro do mesmo ano, sendo ambos sepultados na Igreja de São José, nasceram os seguintes filhos:
    - Baltazar da Costa Bulcão
    - Maria da Costa Bulcão

     
    voltar

     
     

Patrocinadores da família
+ Agro Máquina Usada
+ Flor de Quintal
Apoiadores da família
+ Leticia Lionello de Azevedo
+ Marcelo de Souza Lerina
+ Prof. Dr. Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira